terça-feira, 8 de novembro de 2011

Coordenadora da campanha contra a legalização da maconha pede a população que diga não, a legalização da maconha

O que me espanta é a cara de pau dos maconheiros que se dizem  perseguidos .São contraventores,observem a que reduziram a reitoria da USP.
Depredação, foram encontradas  7 garrafas de coquetel molotov. Ou seja, bomba caseira. estavam prontos para agirem com total violência caracterizo essa situação como surto social  psicótico característico do vício da maconha.
Maconha faz mal a saúde sim, induz a violência , tira a droga dos viciados para ver o que acontece.
Estamos correndo riscos, essa é a verdade, sobre ás drogas e maconha é droga. imagina toda essa população tendo droga a vontade? Diga não a legalização.
Marisa Lobo- Coordenadora da campanha contra a legalização da maconha.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Jornal Hoje -28/10/11- Confronto de estudantes e PMs na USP

Geraldo Alckmin garante permanência da PM na USP

VERGONHA MACONHA NÃO Estudantes causam confusão em campus da USP - 28/10/11

Alunos da USP Invadem Reitoria Como Marginais, Pedindo Legalização da Ma...



Ainda querem legalizar a Maconha , quando falamos que ela indúz a violência a midia cai em cima da gente, isso é maconha.Quando você ameaça tirar a droga de qualquer viciado é isso que acontece.
A situação é dramatica, está um caos, vamos ser precionados a liberar de medo de estudantes maconheiros, que naõ representam a maioria?

MARISA LOBO_ PSICOLOGIA CRISTÃ: Estudo afirma que maconha causa "caos cognitivo" n...

MARISA LOBO_ PSICOLOGIA CRISTÃ: Estudo afirma que maconha causa "caos cognitivo" n...: O consumo de maconha está associado a alterações na concentração e na memória que podem causar problemas neurofisiológicos e de conduta, i...

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

O uso da maconha é o início da dependência química, alerta parlamentares de MS

O  uso de maconha é o inicio para dependência química, explica o  deputado Rinaldo Modesto(PSDB-MS), que esteve na audiência pública nesta terça feira (28-09) na câmara municipal de Campo Grande - MS.

O tema foi a liberação da maconha defendida até pelo supremo Tribunal Federal que liberou manifestação pública sobre o assunto em todo o Brasil. Para Modesto, o fato do Mato Grosso do Sul ser caminho de distribuição de entorpecentes reforça a necessidade de tratar do assunto.

A audiencia pública teve ainda a presença do  presidente do Fórum evangélico Nacional de ação social e Política, Wilton Acosta,  que considera a dependência química questão de saúde pública e que já deveria ter atenção especial do Estado.
Wilton Costa defende que a maconha não seja liberada para consumo no Brasil a exemplo do que é feito na Holanda. A Psicóloga Marisa Lobo ressalta que até mesmo a Holanda já esta repensando a liberação "a Holanda esta impondo políticas públicas para conter o uso descriminado dentro do país".
Além de Campo Grande a cidade de Aquidauana também recebe a comitiva formada pelo deputado estadual Rinaldo Modesto, coordenador regional do Fenasp (Forúm Cristão Nacional de Ação Social e Político), do presidente do Fenasp, Wilton Acosta e da palestrante, Psicóloga Marisa Lobo.









sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Câncer de testículos está associado ao uso de maconha afirma Estudo.

Um levantamento realizado pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), ligado à Secretaria de Estado da Saúde e à Faculdade de Medicina da USP, aponta que 25% dos pacientes com câncer de testículo atendidos no setor de urologia da unidade assumem o consumo regular de maconha. As informações foram divulgadas hoje pela assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.


O uso da droga está associado ao surgimento do câncer de testículo, provocando diversos efeitos adversos sobre os sistemas endocrinológico e reprodutivo. Mensalmente, 500 pacientes são atendidos na clínica de uro-oncologia do Icesp. Destes, 30% apresentam tumores localizados no testículo, dos quais 70% têm sinais de doença avançada (fora do testículo) no momento do diagnóstico.

As cirurgias para retirada total ou parcial dos testículos e da próstata representam um terço das 10 mil cirurgias já realizadas pelo hospital. "Evitar o uso da droga é fundamental para diminuir consideravelmente as chances de desenvolvimento do tumor. Além disso, é fundamental que os homens realizem o autoexame para o diagnóstico precoce da doença", alerta Daniel Abe, urologista do Icesp.

Cura - O câncer de testículo é altamente curável, principalmente quando detectado precocemente. A doença acomete predominantemente homens que têm entre 15 e 34 anos de idade. O diagnóstico precoce pode ser feito por meio do autoexame do órgão. Percebendo qualquer anormalidade, como nódulo indolor ou massa, sensação de peso no escroto ou dor na região inferior abdominal, deve-se procurar ajuda médica.
fonte :http://www.estadao.com.br/noticias/geral,estudo-relaciona-cancer-de-testiculo-ao-uso-de-maconha,773438,0.htm

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Deputado Roberto de Lucena vira porta-voz da “Campanha Maconha Não!”

Deputado Roberto de Lucena vira porta-voz da “Campanha Maconha Não!”

Mais um deputado Federal apoia a campanha Maconha não, Anderson Ferreira.

Deputado Federal Anderson Ferreira e Marisa Lobo, mais um aliado na luta contra a legalização Maconha 

A


Membro titular da Comissão Especial de Políticas Públicas e Combate as Droga do Congresso Nacional, o Deputado Federal Anderson Ferreira apresentou o projeto de lei nº 179/2011 que permite descontar do imposto de renda das pessoas físicas as doações feitas às associações sem fins lucrativos ou econômicos que prestam serviços sócio-educativos a crianças e adolescentes na prevenção às drogas.
O Deputado Federal busca, com a proposta, incentivar as doações financeiras àquelas entidades que prestam importantes serviços à sociedade nas áreas de educação, da prevenção às drogas, e na recuperação de jovens dependentes, tendo como grande aliado à solidariedade. “Precisamos orientar as pessoas que um jovem dependente químico necessita de uma nova oportunidade”, frisou Anderson Ferreira.
Apresentou também um manifesto junto ao Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco para impedir a “Marcha da Maconha” em seu estado.
Deputado ANDERSON, é o mais novo aliado e combatente , da Campanha coordenada pela psicóloga Marisa Lobo , que pedido  audiências Públicas e feito  manifestos por todo o BRASIL Contra a legalização da maconha.
Não podemos nos intimidar, temos que agir e encontrar apoio em pessoas comprometidas com a causa afirma a coordenadora Nacional da campanha Contra a legalização da Maconha .



quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Pastora Edileuza,esposa do Deputado Marco Feliciano apoia a Campanha Contra a legalização da Maconha.

Marisa Lobo , na luta contra a legalização da Maconha  encontra em Brasília , apoio das Mulheres.
desta vez, foi a Pastora  Edileuza das igrejas, Catedral do Avivamento,esposa do Pastor Marco Feliciano,quem vestiu a camisa da campanha .MACONHA NÃO, E mostrou porque o seu Ministério , chama-se tempo de Avivamento.


.

sábado, 27 de agosto de 2011

Audiência Pública Contra a Legalização da Maconha em -Maringá - Pr com a psicóloga e Coordenadora Nacional da Campanha Contra a legalização Marisa Lobo

A psicóloga Marisa Lobo , responde perguntas sobre os prejuízos da maconha, no organismo principalmente nos adolescentes. 

Agradecimentos a todos os vereadores desta casa, bem como todos os funcinários da prefeitura, que participaram da organização desta audiência Pública  

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

CAMPANHA CONTRA A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA: Audiência pública contra legalização da maconha no...

CAMPANHA CONTRA A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA: Audiência pública contra legalização da maconha no...: "Dezenas de estudantes de escolas públicas do Gama acompanharam na tarde de sexta-feira (5) a audiência pública DF contra a legalização da ma..."

Audiência pública contra legalização da maconha no DF atrai estudantes

Dezenas de estudantes de escolas públicas do Gama acompanharam na tarde de sexta-feira (5) a audiência pública DF contra a legalização da maconha, promovida pela Câmara Legislativa, por iniciatiava do deputado Evandro Garla (PRB).  Autoridades do governo local, policiais, psicólogos e  ex-atletas foram unânimes em condenar a proposta de descriminização do uso da maconha, que está sendo debatida no País.
"Se isso acontecer vai ser uma grande loucura", alertou o deputado Evandro Garla, ao pregar para os jovens que a maconha "é a porta de entrada para vários crimes", provocando dependência química,  problemas  sociais e de saúde pública.  Ele justificou a  realização daquele ato político explicando que até o momento  só estão sendo realizados debates a favor da liberação do uso da maconha.

O capitão da Polícia Militar, Maurício Panisset, lamentou a morte em Samambaia  de um subtenente daquela corporação  no combate a traficantes de drogas, na Quadra 314,  justamente durante a realização da audiência pública sobre a maconha. "Nas mais de 200 bocas de fumo que nós conseguimos desmontar, sempre constatamos que a maconha estava associada a outras drogas, como a merla e o crack",  advertiu, em relato  emocionado. "Será que depois da maconha vão querer liberar também o uso da crack", indagou.

A psicóloga Marisa Lobo do Paraná , especializada no tratamento de viciados em maconha,  condenou a ideia de que a maconha  é uma droga leve, que não causa tantos problemas  de dependência. "É uma droga sim e  muita pesada. Existem pessoas que estão aderindo a uma onda social desencadeada por saudosistas do uso da maconha",  condenou, ao criticar a postura do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em defender publicamente  descriminalização do uso da maconha.

Também a ex-atleta brasiliense Ricarda, que integrou a seleção brasileira de voleibol, deu o seu recado aos jovens estudantes que lotaram as galerias da Câmara Legislativa. " Na adolescência muitas colegas da escola me ofereceram maconha, mas eu recusei e constatei que aquelas pessoas não eram minhas amigas", afirmou, ao defender a prática esportiva como um atividade que  ajuda as pessoas a se divertirem, sem comprometer a saúde.
Além dos depoimentos  contra o uso de drogas, os estudantes  assistiram à encenação de uma peça teatral, no Plenário, produzida por membros da Companhia de Teatro Pátria Amada, da Polícia Militar.
  



Zildenor Ferreira Dourado - Coordenadoria de Comunicação Social

domingo, 3 de julho de 2011

Deputado Pr. Marco Feliciano faz Pronunciamento sobre o Ensino Religioso...


Quando discutimos sobre drogas , violência é inevitável vir a tona sua causa .
A priori sabemos que a falta de princípios de amor a Deus gera angústia , ansiedade e gera sim violência pois sem regras claras definidas em amor como educaremos nossos jovens .
Acredito que ensino religioso nas escola seja a chave para a diminuição da violência e busca ás drogas , o ensino religiosos sem alienação pode trazer essa consciência aos nosso aos nossos Jovens.
vale a pena ver este pronunciamento do deputado Marco Feliciano
POR MARISA LOBO

Bolsonaro - Marcha da Maconha Outro Golpe Contra a Família Brasileira

Você é contra ou a favor à legalização da maconha?


A Campanha MACONHA NÃO quer saber sua opinião sobre a Legalização
da maconha , sua opinião é importante.vamos discutir o assunto .
Queremos ser um instrumento de debate . Porém não postaremos
comentários que ofendam os organizadores como estão sendo ofendidos por quem
defende a maconha para uso recreativo.Se maconha não induz a nenhum tipo de vilência
então porque os comentários são extremamente violêntos , não publicaremos ,querem disutir
sejam inteligentes emocionalmente .
Grata
Marisa Lobo

91 Minutos: DEBATE SOBRE legalização da maconha


Deputado Francischini x organizadores da marcha pra maconha ,
ouçam e comparem , como os argumentos para legalização são fracos ,
temos muitas prioridades e a maior delas é a educação e a saúde .
vale a pena ouvir e questionar - Marisa Lobo

Contra a legalização da maconha -Vereador Valdemir So...

Contra a legalização da maconha - Audiência pública - Vereador Valdemir ...

Contra a legalização da maconha - Audiência pública - Vereador Valdemir ...

AUDIÊNCIA PÚBLICA EM SÃO PAULO -Contra a Liberação da maconha

AUDIÊNCIA PÚBLICA CONTRA A LIBERAÇÃO DA MACONHA,
a exemplo de Curitiba que já realizou a 1ª audiência Publica no Brasil no dia 17/06, São Paulo também terá sua 1ª Audiência Pública que acontecerá na Assembléia Legislativa, em São Paulo Capital no   AUDITÓRIO PAULO KOBAYASHI no dia  05 de julho de  2011, as 10:00 horas. 

A iniciativa partir do Movimento pela vida , contra  a liberação da maconha, o movimento Nacional pelaVida  está a exemplo do Maconha Não a todo vapor , fazendo frente as campanhas a favor da legalização em todo Brasil , são profissionais , políticos e sociedade que estão unidos  em um só objetivo 
A Campanha Nacional Maconha Não está Unida com o Movimento Nacional Pela Vida, Juntos na luta contra a Liberação das drogas ,
Maconha Não Vida Sim
Segue abaixo os deputados de São Paulo que estão unidos nesta causa .
01 Donisete Braga PT
02 Afonso Lobato PV
03 Ana do Carmo PT
04 Antonio Mentor PT
05 Carlão Pignatari PSDB
06 Ed Thomas PSB
07 Edinho Silva PT
08 Edson Ferrarini PTB
09 Enio Tatto PT
10 Fernando Capez PSDB
11 Gerson Bittencourt PT
12 Hamilton Pereira PT
13 João Antonio PT
14 José Cândido PT
15 Marcos Martins PT
16 Mauro Bragato PSDB
17 Olímpio Gomes PDT
18 Orlando Bolçone PSB
19 Orlando Morando PSDB
20 Regina Gonçalves PV
21 Roque Barbiere PTB
22 Ulysses Tassinari PV
23 Vinícius Camarinha PSB
Outros  Deputados federais que estão colaborando em muito com as campanhas contra a legalização da Maconha e Outras drogas é Deputado Federal Marco Feliciano de Orlnadia /SP . e o deputado federal Francischini do Paraná,  Deputado evandro Garla que já pediu audiência Pública em Brasília no mês de agosto.
Nosso porta vóz da campanha Maconha Não e de todas as campanhas é o Senador Magno Malta.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Programa da Liga -Band Mostra a degradação do Crack e seu inicio com o mesclado x maconha

Programa  Liga , exibido na Band em uma super matéria sobre  ususários de Crack , a degração humana e mostra claramente a porta de entrada com o  mesclado maconha com crack.veja e comprove  com seus olhos onde a maconha pode levar seu filho. fonte portal Guiame

domingo, 19 de junho de 2011

CBN Curitiba - vereadores querem restringir o uso de Álcool em curitiba

CBN Curitiba - audiência Publica Em curitiba

CBN Curitiba - A rádio que toca notícia

Manifestação contra a legalização da maconha em Curitiba

Não à legalização da maconha.wmv

"Querem confundir a opinião pública" alerta Coordenadora da campanha "Maconha Não" - 16/06/2011

"Querem confundir a opinião pública" alerta Coordenadora da campanha "Maconha Não" - 16/06/2011

"Querem confundir a opinião pública" alerta Coordenadora da campanha "Maconha Não" - 16/06/2011

"Querem confundir a opinião pública" alerta Coordenadora da campanha "Maconha Não" - 16/06/2011

Campanha contra a legalização da maconha apoioa plebiscito.

Deputado Francischini quer plebiscito sobre legalização da maconha

Manifestantes se reúnem em Curitiba para marcha contra as drogas

Deputado federal quer plebiscito sobre a legalização da maconha no BrasiL

sexta-feira, 17 de junho de 2011

ABAIXO ASSINADO CONTRA A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA

Cerca de 600 pessoas , participaram da 1ª audiência Pública do Brasil em Cuirtiba

Audiência reúne jovens
contra legalização da maconha


Uma audiência pública realizada nesta sexta-feira (17), no plenário da Câmara Municipal, debateu o combate à legalização da maconha. O evento, organizado pelo vereador Valdemir Soares (PRB), reuniu diversas pessoas, a maioria jovens que são contra a  liberação da droga. Além do vereador, estiveram presentes o secretário Municipal Antidrogas, Hamilton José Klein, o deputado federal e delegado da Polícia Federal Fernando Francischini, a psicóloga Marisa Lobo e o psiquiatra Cleandro Luiz Carnieri. Os vereadores Julião Sobota (PSC), Noemia Rocha (PMDB), e Zé Maria (PPS) também estiveram presentes no evento.
“Esta é a primeira audiência do Brasil contra a liberação da maconha e outras drogas. Esperamos uma decisão do país, da Câmara Federal, do Senado em impedir que esta e outras drogas sejam legalizadas”, disse Valdemir Soares. Ele lembrou de uma pesquisa do Instituto Paraná Pesquisas, que mostrou que 76% dos curitibanos são contrários à liberação da maconha. “Esta audiência quer chamar a atenção da sociedade curitibana para que consigamos que estas pessoas levem esta mensagem para as demais”, complementou.
“É um interesse de todos, do governo, junto com a sociedade, o combate ao tráfico de drogas e a recuperação de dependentes. É importante que todos nós levantemos esta questão do combate às drogas”, disse Noemia.
O secretário Antidrogas disse que está sendo usado o exemplo da Holanda para a liberação da maconha de forma equivocada. “Na Holanda, na medida em que cresciam usuários nas praças, tiveram que manter ambulâncias para atender casos de overdose. Pouco tempo depois, tiveram que construir postos de atendimento e hospitais perto destes locais”. Segundo ele, o governo teve que voltar atrás quando percebeu que o dinheiro do serviço de Saúde, que deveria ser gasto com a população produtiva, estava indo para estes atendimentos. Foi proibido o uso nas praças e hoje permaneceram os cafés, que só podem ser frequentados por pessoas cadastradas.
O secretário não acredita que a legalização cessará o mercado negro. “As duas drogas legalizadas, que são o álcool e o cigarro, ainda são contrabandeadas. O mercado negro continuou operando do mesmo jeito”. Entre os planos da Secretaria Antidrogas está a capacitação dos professores de toda a rede municipal para enfrentar a questão.
Para o deputado Francischini, a prevenção entre os jovens é o melhor caminho. “Sou a favor de prevenção nas escolas, o apoio na recuperação. Temos que estar com o pé no chão, a maconha é a porta de entrada. Enquanto se está na maconha, o caminho de volta é difícil, mas é viável, mas no crack somente 7% das pessoas têm chance de se recuperar. Esta chance aumenta em 30% quando é levado em conta não só o tratamento médico, mas o lado espiritual e religioso”, garantiu.
Segundo o promotor Paulo Sérgio de Lima, que veio representar o procurador-geral Olympio de Sá Sotto Maior Neto, a liberação da maconha é um atitude criminosa, que vai envolver não só a questão do tráfico. “A maconha é a porta de entrada para as outras drogas e é um atentado contra a vida, porque fortalece o traficante, que acaba com as famílias. É o povo mais humilde que se atinge quando se fala da liberação da maconha. Temos que ir contra, vertiginosamente, esta liberação. Continuaremos lutando para que não ocorra esta liberação. Da parte do Ministério Público, a nossa luta será de mãos dadas”, afirmou.

Saúde

O psiquiatra Cleandro Luiz Carnieri  explicou sobre os problemas do uso da maconha. “Há mais de 400 substâncias químicas na maconha. É um dos maiores desencadeantes dos ataques de pânico”, segundo ele. Estudos recentes mostram que o uso da droga pode desencadear a esquizofrenia, doença psiquiátrica irreversível que provoca alucinações e delírios.
De acordo com a psicóloga Marisa Lobo, o poder de escolha que se propõe com a legalização da droga não pode ser dado às crianças e adolescentes, ainda em processo de formação. “Não existe real escolha quando não se tem formação, quando não se tem idade para saber decidir”. Ela trabalha diariamente com dependentes químicos e disse que todos afirmam terem iniciado com a maconha. “Tenho hoje 150 pacientes e todos eles afirmaram que começaram com a maconha. Somos um país novo, um país ainda adolescente e não temos competência para administrar a maconha.”
Também estiveram presentes representantes da Fundação de Ação Social (FAS), da Secretaria Municipal de Educação, do Movimento Curitiba Te Quero Sem Drogas, e o coordenador nacional sul de prevenção contra as drogas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), José Augusto Soavinski.

– Diversas autoridades falaram a respeito dos problemas da legalização da maconha. Vereador Valdemir Soares ressaltou que esta é a primeira audiência do país. (Foto – Andressa Katriny)






– Reunião contou com a presença de muitos jovens que fizeram perguntas aos especialistas. (Foto – Andressa Katriny)





   Psiquiatra mostrou os problemas causados pela droga no organismo. (Foto – Andressa Katriny)






– Para Marisa Lobo, o poder de escolha não pode estar na mão de crianças. (Foto – Andressa Katriny)












– Promotor disse que o Ministério Público vai apoiar as manifestações contra a legalização da maconha. (Foto – Andressa Katriny)













– O vereador Zé Maria também compareceu à audiência. (Foto – Andressa Katriny)

- Movimento Caminhada pela Vida deve fazer uma passeata contra a legalização no dia 30 de julho, na Avenida Paulista, em frente ao Masp.


– Deputado federal Francischini alertou para a dificuldade na recuperação dos dependentes. (Foto – Andressa Katriny)





– Participantes devem continuar no movimento contra a legalização da maconha.
(Foto – Andressa Katriny)

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Perigo: Maconha é a droga mais consumida por 67% dos adolescentes

 

A maconha lidera o rol de drogas mais utilizadas entre os adolescentes. O dado é fruto de um levantamento realizado pelo Cratod (Centro de Referência em Álcool, Tabaco e Outras Drogas), na capital, órgão ligado a Secretaria de Estado da Saúde, com jovens com idade entre 12 e 18 anos. Levantamento revela ainda que 2% dos adolescentes em tratamento experimentaram entorpecentes aos sete anos. O crack e a cocaína aparecem em segundo lugar na preferência dos usuários.
A pesquisa foi feita com base nos atendimentos realizados entre 2007 e 2009, com 112 jovens, e mostra que 59% dos usuários têm entre 14 e 16 anos. Quase a totalidade deles, 90%, é do sexo masculino. A maioria dos entrevistados, 67%, referiu a maconha como droga mais consumida.
"Quanto mais cedo os jovens iniciam o contato com as drogas, mais eminente o risco de desenvolverem dependência. Sem falar dos danos cerebrais, em uma fase essencial para a formação de muitas células. O dado preocupa e serve de alerta para os pais, que devem permanecer alertas", afirma Luizemir Lago, diretora do Cratod.
Ainda segundo o levantamento, 11% dos entrevistados apontam o crack como droga mais consumida e outros 11% a cocaína. Os inalantes aparecem em terceiro lugar com 4% da preferência, seguido do álcool e mesclado, ambos com 3%, e do tabaco com 2%.

fontehttp://anjoseguerreiros.blogspot.com/2009/10/perigo-maconha-e-droga-mais-consumida.html:

A quantidade de jovens holandeses menores de 18 anos viciados em maconha está aumentando. Muitos deles começam a fumar aos treze anos de idade.

O problema é tão sério que muitos vão parar em clínicas de reabilitação. Os jovens fumantes têm conflitos com os país, abandonam os estudos e muitos são conhecidos pela polícia por roubarem para sustentar o vício.
Uma pesquisa realizada pela produtora de televisão pública holandesa NOS revelou que, no ano pasado, três clínicas especializadas em desintoxicação acolheram 370 adolescentes viciados em maconha. Desde 2002, a quantidade de jovens viciados quadruplicou e estão sendo construídos outros três centros de tratamento na Holanda para atender ao aumento da  demanda. 

Variante forte
Uma das razões para o aumento do vício é a quantidade de THC na droga, o ingredidente ativo do cânhamo. Os produtores criam variedades resistentes da planta, o que faz aumentar o THC da maconha. O Instituto Jellinek Clinic para dependentes de droga mostra que, em 2000, a variante ‘netherweed’ (canabis holandesa) continha 8,6% de THC, enquanto em 2002 o índice era de 15,2 %. Resumindo, a toxidade praticamente duplicou e seu efeito alucinógeno era muito mais forte do que a "droga branda" que os pais dos jovens viciados de hoje recordam do tempo da juventude deles.
O consumo de maconha ocorre em toda a Holanda. Em agosto, a agência governamental de estatísticas publicou uma pesquisa mostrando que metade dos homens adultos entre 20 e 25 anos, e um terço das mulheres da mesma idade, haviam fumado pelo menos uma vez na vida. Dessa população, uma de cada dez mulheres fumava regularmente desde a adolescência. De cada dez homens, dois eram fumantes de maconha.
Desde os nove anos
"Ocasionalmente, algum dos  jovens viciados havia fumado seu primeiro cigarro aos nove anos, no pátio do colégio", explica o jovem assistente social Eric de Vos à produtora de televisão NOS. "A maioria dos fumantes de maconha se droga por uma razão: como automedicação para conciliar facilmente o sono ou para fugir de problemas ou conflitos na família ou na escola."
Reabilitação
Na clínica Bauhuus, na região de Groningen, no norte do país, os adolescentes internos, entre 13 e 18 anos, recebem tratamento que demora de seis a nove meses. A terapia inclui o corte da dependência da droga.
"Eu fumava sete ou oito cigarros por dia; era muito para minha idade", confessa Lisa, de 16 anos, internada no centro. "Também bebia muito, mas o vício principal era a maconha.  Meus pais se divorciaram quando eu tinha treze anos e não superei a separação. Reprimia a tristeza fumando. Não fui capaz de abandonar o cigarro porque a droga é mais viciante do que se imagina. A gente fica indolente, deixa de ir à escola, de praticar esportes, gera conflitos em casa e leva à perda da educação e respeito. Muda a personalidade”. Lisa assegura que sua permanência na clínica Bauhuus realmente está ajudando a recuperar de novo o controle da própria vida.
Aprender, ou voltar a aprender, atitudes sociais é essencial para se manter na clínica. Os  adolescentes aprenden a se comportar em grupo e como evitar a recaída no vício. Eles ensinam ainda a controlar as emoções reprimidas durante a dependência da droga e oferecem terapia familiar. Esportes e estudos regulares são parte do programa para se livrar da dependência. fonte http://www.rnw.nl/portugues/article/mais-adolescentes-viciados-em-maconha-na-holanda

terça-feira, 14 de junho de 2011

Maconha no cérebro - IG - Band News

MACONHA-PROVOCA PERDA DE T.H.C(BAIXA CONCENTRAÇÃO).

Maconha não legalizar

Maconha - últimos estudos a respeito

Maconha para uso médico - Isto é sério??? Ronaldo Laranjeiras diz que é enganação

Marcos L. Susskind
O artigo publicado em 30/7 sobre a questão da maconha dita "medicinal" contém uma série de inverdades bem como injustificáveis ataques pessoais a pesquisadores de primeiro nível no Brasil. Não pretendo advogar pelos capazes Dr. R. Laranjeira e Dra. A. Marques - mas não posso silenciar frente às meias verdades e as claras mentiras do artigo em questão.

Primeiramente afirmo, sem nenhuma margem de dúvida, que não existe consenso sobre qualquer vantagem médica de fumar maconha. Na maioria dos lugares onde foi permitido o uso da chamada "maconha medicinal" ela é fumada e não inalada, como afirmam os autores. Se eles não sabiam disto então todo o artigo deles mostra-se um engodo. Se sabiam, é vergonhoso que escondam a informação. Liberar ou legalizar o uso da maconha é um erro e, se adotado, muito difícil de ser reparado. Portugal liberou o uso em 2001 (indo contra diretrizes da maioria dos países Europeus) e os resultados são terríveis. Possuo todos os dados, mas menciono apenas alguns: O uso na vida aumentou de 7,1% (2001- antes da liberação) para 12% (2007) e possivelmente é ainda maior hoje. O uso do Hashish subiu 20% e os homicídios relacionados a drogas aumentou absurdos 40% (EMCDDA 2008).

A ciência não vê a maconha como medicamento. Ainda que algumas pessoas bem-intencionadas e uma maioria mal-intencionada tente fazer o público crer diferente, as principais entidades médicas do mundo rejeitam com veemência as tentativas de fazer crer que a maconha possa ter uso médico - ainda que se esteja estudando a se há nela algum componente para uso médico. Entre as entidades que fizeram declarações inequívocas contra a "maconha medicinal" cite-se: American Medical Association, National Multiple Sclerosis Society, British Medical Association, American Cancer Society. O próprio IOM (The Institute of Medicine) que advoga por mais estudos sobre uso medicinal da maconha atesta inequivocamente que “os efeitos dos canabinóides nos sintomas estudados são geralmente modestos, e na maioria dos casos existem medicações mais eficientes” A organização de Médicos Oncologistas Americanos afirma que os estudos sobre uso medicinal do THC devem se concentrar na forma de emplastros e jamais na maconha fumada ou inalada.

Nada do que está acima é novidade. São posições afirmadas e reiteradas continuamente e que os autores do artigo citado fingem ignorar para colocar uma posição político-ideológica dissociada da ciência e da verdade.

No que tange à posição de Fernando Henrique Cardoso há mais uma vez erro (intencional?) na interpretação de suas posições. Entre 20 e 25 de abril deste ano eu mantive com FHC uma troca de correspondência exatamente com o foco na questão da maconha. Apesar de não ser assunto público, FHC (e seus assessores) asseguraram por escrito que ele não é a favor da liberação do uso de drogas, em particular da maconha.

O debate sobre este assunto é rico é longo. Neste debate os argumentos têm de ser verdadeiros, capazes de prova científica ou passa a ser apenas mais uma discussão de botequim. Eu, com os conhecimentos que tenho, não aceito "papo de botequim". Se nos mantivermos em alto nível, estou pronto para o debate sem ideologia, sem mentiras, com apoio científico. E, mais uma vez, reitero que confio muito mais nas conclusões de estudiosos como o Dr. Ronaldo Laranjeira e a Dra. Ana Marques do que em artigos de pessoas que - pelo menos até o momento - não mostraram qualidades investigativas reconhecidas pela comunidade acadêmica!
Marcos L. Susskind
Fonte:UNIAD - Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas

Prevenção ás drogas

Muito se tem feito nos últimos tempos para que as pessoas se previnam contra o uso de drogas. Mas também muito se tem feito, legal ou ilegalmente, para que elas sejam usadas. O resultado final é que as pessoas estão consumindo cada vez mais drogas.
Usar drogas, significa em primeira instância, buscar prazer. É muito difícil lutar contra o prazer, porque foi ele que sempre norteou o comportamento dos seres vivos para se autopreservarem e perpetuarem sua espécie. A droga provoca o prazer que engana o organismo, que então passa a querê-lo mais, como se fosse bom. Mas o prazer provocado pela droga não é bom, porque ele mais destrói a vida do que ajuda na sobrevivência. A prevenção tem de mostrar a diferença que há entre o que é gostoso e o que é bom.
Todo usuário e principalmente sua família têm arcado com as consequências decorrentes desse tipo de busca de prazer.
Pela disposição de querer ajudar outras pessoas, parte da sociedade procura caminhos para previnir o maior mal evitável deste final de milênio.
Caminhos disponíveis
1. Do medo - Os jovens não se aproximarão das drogas se as temerem. Para se criar o medo, basta mostrar somente o lado negativo das drogas. Pode funcionar para crianças enquanto elas acreditarem no adultos.
2. Das informações científicas - Quanto mais alguém souber sobre as drogas, mais condições terá para decidir usá-las ou não. Uma informação pode ser trocada por outra mais convincente e que atenda aos interesses imediatos da pessoa.
3. Da legalidade - Não se deve usar drogas porque elas são ilegais. Mas e as drogas legais? E todas as substâncias adquiridas livremente que podem ser transformadas em drogas?
4. Do princípio moral - A droga fere os princípios éticos e morais. Esses valores entram em crise exatamente na juventude.
5. Do maior controle da vida dos jovens - Mais vigiados pelos pais e professores, os jovens teriam maiores dificuldades em se aproximar das drogas. Só que isso não é totalmente verdadeiro. Não adianta proteger quem não se defende.
6. Do afeto - Quem recebe muito amor não sente necessidade de drogas. Fica aleijado afetivamente que só recebe amor e não o retribui. Droga é usufruir prazer sem ter de devolver nada.
7. Da auto-estima - Quem tem boa auto-estima não engole qualquer "porcaria". Ocorre que algumas drogas não são consideradas "porcarias", mas "aditivos" para curtir melhor a vida.
8. Do esporte - Quem faz esporte não usa drogas. Não é isso o que a sociedade tem presenciado. Reis do esporte perdem sua majestade devido às drogas.
9. Da união dos vários caminhos - É um caminho composto de vários outros, cada qual com sua própria indicação. Cada jovem escolhe o mais adequado para si. Por enquanto, é o que tem dado os resultados mais satisfatórios.
10. Da Integração relacional - Contribuição para enriquecer o caminho 9. Nesse trajeto, o jovem é uma pessoa integrada consigo mesmo (corpo e psique), com as pessoas com as quais se relaciona (integração social) e com o ecossistema (ambiente), valorizando a disciplina, a gratidão, a religiosidade, a ética e a cidadania.
(Fonte: Anjos Caídos, Içami Tiba. Editora Gente, 6ª edição)

1ª audiência Pública Contra a Legalização da Maconha

Psicóloga cristã afirma que maconha não é uma droga inocente - 14/06/2011

Psicóloga cristã afirma que maconha não é uma droga inocente - 14/06/2011

Deputado alerta interesses ocultos pesados tentam LEGALIZAR A MACONHA

Uma das maiores preocupações sobre o uso da maconha é que o consumo da droga pode realmente atrapalhar o desempenho na vida de uma pessoa comprometendo o aprendizado, o trato familiar, as relações sociais e o mais grave, pode ser a porta para o consumo de drogas mais pesadas. A legalização da maconha é um tema extremamente controvertido, pela quantidade de interesses ocultos que existe por trás, principalmente no âmbito social e econômico”, alerta o deputado. Dep. Evandro Garla

Audiência Pública em Brasília contra a Legalização da Maconha

quarta-feira, 8 de junho de 2011

terça-feira, 7 de junho de 2011

MACONHA O DOM DE ILUDIR

RONALDO RAMOS LARANJEIRA e ANA CECILIA PETTA ROSELLI MARQUES


Semanas atrás, a Folha noticiou a proposta de criar-se uma agência especial para pesquisar os supostos efeitos medicinais da maconha, patrocinada pela Secretaria Nacional Antidrogas do governo federal.
Esse debate nos dias atuais, tal qual ocorreu com o tabaco na década de 60, ilude sobretudo os adolescentes e aqueles que não seguem as evidências científicas sobre danos causados pela maconha no indivíduo e na sociedade.
Na revisão científica feita por Robim Room e colaboradores ("Cannabis Policy", Oxford University, 2010), fica claro que a maconha produz dependência, bronquite crônica, insuficiência respiratória, aumento do risco de doenças cardiovasculares, câncer no sistema respiratório, diminuição da memória, ansiedade e depressão, episódios psicóticos e, por fim, um comprometimento do rendimento acadêmico ou profissional.
Apesar disso, o senso comum é o de que a maconha é "droga leve, natural, que não faz mal".
Pesquisas de opinião no Brasil mostram que a maioria não quer legalizar a droga, mas grupos defensores da legalização fazem do eventual e ainda sem comprovação uso terapêutico de alguns dos componentes da maconha prova de que ela é uma droga segura e abusam de um discurso popular, mas ambivalente e perigoso.
O interesse recente da ciência sobre o uso da maconha para fins terapêuticos deveu-se à descoberta de que no cérebro há um sistema biológico chamado endocanabinoide, onde parte das substâncias presentes na maconha atua.
Um dos medicamentos fruto dessa linha de pesquisa, o Rimonabant, já foi retirado do mercado, devido aos efeitos colaterais. Até hoje há poucos estudos controlados, com amostras pequenas, e resultados que não superam o efeito das substâncias tradicionais, que não causam dependência.
Estados americanos aprovaram leis descriminalizando o uso pessoal de maconha, que é distribuída sem controle de dose e qualidade.
Contradição enorme, pois os médicos são os "controladores do acesso" para uma substância ainda sem comprovação científica.
De outro lado, orientam os pacientes sobre os riscos do uso de tabaco. Deve-se relembrar que os estudos versam sobre possíveis efeitos terapêuticos de uma ou outra substância encontrada na maconha, não sobre a maconha fumada.
Os pesquisadores brasileiros interessados no tema devem realizar mais estudos por meio das agências já existentes, principalmente diante do último relatório sobre o consumo de drogas ilícitas feito pelo Escritório para Drogas e Crime das Nações Unidas, que aponta o Brasil como o único país das Américas em que houve aumento de apreensões e consumo da maconha.
E se, no futuro, surgir alguma indicação para o uso medicinal da maconha, o processo de aprovação, que ainda não atingiu os padrões de excelência, deve contextualizar esse cenário, assim como o potencial da maconha de causar dependência.
Espera-se que a política nacional sobre drogas seja redirecionada em caráter de urgência, pois enfrenta-se também aqui o aumento das apreensões e consumo de cocaína e crack, que exige muitos esforços e recursos para sua solução.
Que nem pesquisadores nem nossa população se iludam de que exista hoje uma indicação terapêutica para utilizar maconha aprovada pela ciência.



--------------------------------------------------------------------------------
RONALDO RAMOS LARANJEIRA é professor titular de psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e coordenador do Instituto Nacional de Políticas sobre Álcool e Drogas (Inpad/CNPQ).
ANA CECILIA PETTA ROSELLI MARQUES, doutora pela Unifesp, é pesquisadora do Inpad/CNPQ.

domingo, 5 de junho de 2011

Maconha tem 7 vezes mais prejudicial que cigarro

A Questão  que levantamos  é que não podemos ser irresponsáveis a esse ponto pois não sabemos do futuro sabemos do presente e nosso presente só tem nos mostrado que a maconha pode sim causar câncer como o cigarro em decorrência das substancias cancerígenas que são encontradas em sua  essência , são iguais ao cigarro como é o caso do alcatrão  que tem 7 vezes mais poder  ativo que o cigarro. Ou seja se as substância que causam câncer presentes do cigarro estão na maconha então como podemos liberar essa droga, onde chegaremos,além do estado mental, a cognição sendo afetada?

Artigo publicado no site noticias.terra.com.br
   A revista mensal francesa com  60 milhões de consumidores, do Instituto Nacional do Consumo (INC), informa na edição desta segunda-feira os resultados de testes realizados com uma máquina de fumar para comparar as proporções de nicotina, alcatrão, monóxido de carbono, benzeno e tolueno nas fumaças dos cigarros de cannabis e de tabaco
A fumaça de cânhamo índico ou maconha contém sete vezes mais alcatrão e monóxido de carbono que a do cigarro comum, segundo as análises de uma revista francesa de consumidores que calcula que "três cigarros de haxixe ou cannabis equivalem a um pacote de tabaco".
O INC acrescenta que colaborou com a missão interministerial de luta contra as drogas, que forneceu a matéria-prima, e que obteve todas as autorizações para transportar e estar em posse das substâncias necessárias. O teste foi feito a partir de erva e resina de cannabis. Para o mesmo, foram confeccionados 280 cigarros.
A mistura de resina de cannabis e tabaco provoca a inalação de duas vezes mais benzeno e três vezes mais de tolueno, e inclusive com um cigarro de erva pura as quantidades de alcatrão e de monóxido de carbono ultrapassam as de um cigarro de tabaco, segundo as medidas.
A máquina de fumar utilizada para os testes é a mesma que serve para o tabaco com o objetivo de estabelecer as proporções de nicotina e alcatrão inscritas nos pacotes. "Fumar três cigarros de maconha ou haxixe diariamente - o que é cada vez mais freqüente - provoca os mesmos riscos de câncer ou doenças cardiovasculares do que fumar um pacote de cigarros de tabaco", destaca a revista. A maconha é droga ilícita mais consumida na França. noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI936540-EI298,00.html

Aquele ´Um´ do Fantástico, o Professor Laranjeira

Aquele ´Um´ do Fantástico, o Professor Laranjeira  

Formadoresdeopiniao.com.br
Escrito por Hélio Leite
01/06/2011 - Escrevi ontem um post tratando daquele editorial disfarçado de reportagem, apresentado no “Fantástico” no domingo, favorável à descriminação da maconha. DOZE pessoas falaram direta ou indiretamente em favor da descriminação da maconha — chamada ali de “regulamentação” (?) — e apenas UMA contra, justamente aquele que é um de nossos maiores e mais experientes especialistas no tema, o psiquiatra Ronaldo Laranjeira. Ele não é um abelhudo, mas um estudioso. Ele não é um “achista”, mas alguém com vasta experiência clínica. As pessoas com as quais ele lida não são feitas de papel e estatística, mas de carne e osso. No texto, alerto os especialistas “não-alinhados” com a metafísica influente para as armadilhas que a imprensa tem criado contra algumas personalidades quando se trata de debater alguns temas.

E até citei exemplos: no jornalismo contemporâneo, quando querem debater maconha, aquecimento global, Código Florestal ou estado palestino, quase sempre aqueles que se opõem à descriminação das drogas, que consideram apocalípticas as teorias do aquecimento, que vêem avanços no código ou que avaliam que não haverá paz no conflito israelo-palestino enquanto houver terrorismo são tratados como esquisitas exceções. Convidados a se pronunciar, são apenas o tributo que o vício — sem trocadilho — está prestando à virtude. São chamados para que fique claro que são minoria, que são pessoas em extinção, que estão contra o bom senso. São chamados para que pareça, pelo contraste numérico, que seis adversários intelectuais têm razão.

Pois bem, eu tenho a honra de ter Laranjeira entre os leitores desta página. Ele manda um comentário muito instrutivo para o blog, que reproduzo abaixo. Relata uma outra circunstância em que também foi chamado para um debate sobre drogas e teve de sair do local escoltado por seguranças. Por quê? Porque não era um debate, mas um happening, uma outra manifestação daquilo que o Fantástico apresentou no domingo. Laranjeira é um homem corajoso. Deixa claro que conhece todos os instrumentos de manipulação do debate disponíveis na praça e diz que vai continuar a debater. Tem o meu apoio, professor, e o da imensa maioria dos milhares que lêem este blog. Pode não ser grande coisa. Mas existimos, esse é o fato. Leiam o seu relato.

*
Caro Reinaldo,

Sou leitor diário do seu blog e respeito muito o que você escreve e concordo com a maioria das idéias. Em especial, concordo com o falso debate sobre a legalização das drogas. No fundo, é um tema que tem um apelo para a população de Ipanema e Vila Madalena, ou o seu equivalente em cada estado.

Tenho adotado a política pessoal de sempre atender aos jornalistas, mesmo quando fica claro que sou o “caretão de plantão”. Minha intenção é tentar pelo menos fazer um contraponto às muitas das idéias que considero simplistas e salvacionistas. Ou seja, as pessoas defendem que, ao termos maiores facilidades de acesso às drogas, resolveremos os problemas. Somente a força da irracionalidade e do pensamento mágico pode sustentar esse castelo de areia conceitual.

Você mencionou que, na matéria do Fantástico, a proporção foi de 12 pessoas favoráveis e somente eu fui o contraponto. E você usou até mesmo a expressão “desrespeitoso”. Isso tem ocorrido sempre. O pior que passei foi num debate na Folha de S. Paulo, manipulado pelo jornalista Gilberto Dimenstein. Ele colocou quatro favoráveis à maconha contra dois. Além disso, tinha uma platéia absolutamente hostil e que não deixava nem mesmo eu começar qualquer tipo de argumento contra a legalização. Aquela, com certeza, foi uma experiência de desrespeito. Pela primeira vez na minha vida, eu saí de um debate intelectual escoltado por dois seguranças da FSP, pois o lobby dos maconheiros queria me bater.

Enfim, desculpas por me alongar, mas esse debate, infelizmente, vai longe, não porque seja uma prioridade, mas porque um grupo significativo de pessoas, como FHC, Globo, jornalistas, parte do judiciário e o lobby da maconha vão querer fazer história.

Eu defendo um plebiscito para esse assunto. Valeria a pena.

Abraços,
Ronaldo Laranjeira
Professor Titular de Psiquiatria da UNIFESP

Por Reinaldo Azevedo
Fonte:UNIAD - Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas

Prazer compulsivo - Saiba o que está por tráz do prazer da droga .

Em artigo publicado na revista "Science", um grupo seleto de neurocientistas mostra que, por trás do consumo de drogas, das compulsões alimentares, sexuais ou de fazer compras, da cleptomania e do vício do jogo ou de fazer exercícios exageradamente, existe um mecanismo comum de neuroadaptação
Para o cérebro, toda recompensa é bem-vinda, venha ela de uma droga ilícita ou da experiência vivida. Sempre que os neurônios dos centros encarregados de reconhecer recompensas são estimulados repetidamente por substâncias químicas ou vivências que confiram sensação de prazer, existe risco de um cérebro vulnerável ficar dependente delas e desenvolver uma compulsão. Por isso tanta gente bebe, fuma, cheira cocaína, perde casa em jogo de baralho, come demais, faz sexo sem parar, compra o que não pode pagar e levanta peso compulsivamente nas academias.
A palavra dependência vem sempre associada às drogas químicas, ao desespero do dependente para consegui-las, ao aumento da tolerância às doses crescentes e à crise de abstinência provocada pela ausência delas na circulação. A tríade compulsão-tolerância-abstinência, no entanto, não é obrigatória mesmo no caso de substâncias dotadas de alto poder de adição.
A cocaína, por exemplo, droga de uso altamente compulsivo, causa síndromes de abstinência relativamente discretas, desde que o usuário não entre em contato com a droga ou com alguém sob o efeito dela. Apesar de causar dependência, a maconha muitas vezes é consumida esporadicamente, sem que o usuário apresente crises de abstinência dignas de nota. Doentes que tomam morfina para combater dores fortes, em menos de 3% dos casos, desenvolvem obsessão pelo medicamento quando as dores param.
Toda vez que o cérebro é submetido a estímulos repetitivos carregados de conteúdo emocional, os circuitos de neurônios envolvidos em sua condução se modificam para tentar perpetuar a sensação de prazer obtida.
Esse mecanismo, conhecido como neuroadaptação, é arcaico. Quando a abelha penetra uma flor e sente o prazer de encontrar o alimento desejado, é liberado, em seu cérebro, um neurotransmissor chamado octopamina. Quando um adolescente fuma maconha ou cheira cocaína, ocorre, nas terminações nervosas de certas áreas cerebrais, aumento na concentração de dopamina. A semelhança de nomes entre ambos os neurotransmissores traduz a proximidade da estrutura química existente entre as duas moléculas. Apesar de as abelhas terem divergido da linhagem que nos deu origem há mais de 300 milhões de anos, os mediadores da sensação de prazer são quase os mesmos nas duas espécies.
Na seleção natural das espécies, levaram vantagem reprodutiva aquelas que desenvolveram mecanismos de recompensa ao prazer com o objetivo de criar a necessidade de buscar sua repetição. Para o organismo, em princípio, tudo o que traz bem-estar é bom e deve ser repetido. Se não fosse assim, nós nos esqueceríamos de nos alimentar, de fazer sexo ou de procurar a temperatura mais agradável na hora de dormir.
Os estudos para entender o mecanismo de neuroadaptação em resposta aos estímulos repetitivos de prazer levam a crer que os neurônios se organizem em circuitos que convergem para estações cerebrais situadas nas proximidades dos centros que coordenam memórias e emoções. Neurônios situados nessas estações ligadas à recompensa estabelecem conexões com outros que convergem para o chamado centro da busca. Estes, quando ativados, interferem no comportamento, criando forte sensação de ansiedade para induzir o corpo a buscar a repetição do prazer. Por isso o fumante sai da cama atrás de um bar para comprar cigarro, o alcoólatra bebe no horário de trabalho e o craqueiro pede esmola para comprar a droga.
Por um capricho da natureza, entretanto, a estimulação repetida do centro do prazer pode provocar ativação irreversível do centro da busca, de modo que este permanece estimulado mesmo quando o uso da droga já não traz mais prazer nenhum. Em outras palavras, o prazer repetido à exaustão pode disparar o centro da busca irreversivelmente.
É freqüente entre os usuários crônicos de drogas o aparecimento de quadros persecutórios em que o dependente imagina ser perseguido pela polícia ou por algum desafeto. No caso da cocaína, da heroína, do crack, da morfina ou do álcool, não é raro surgirem alucinações em que o usuário vê bichos na parede e inimigos embaixo da cama. Nessa fase da adição, nem o dependente é capaz de entender o que o leva a tomar outra dose e a repetir experiência tão dolorosa. O centro da busca assumiu o controle; obriga o dependente a ir atrás de um prazer que não existe mais.
Esse mecanismo neuroadaptativo, associado à tolerância que o organismo desenvolve a doses crescentes de qualquer droga administrada repetidas vezes, constrói a armadilha que aprisiona tantas pessoas no inferno da dependência química. A primeira cerveja deixa o adolescente bêbado; depois de alguns anos, é preciso tomar meia dúzia para obter efeito semelhante. A primeira cachimbada de crack tira de órbita e faz o ouvido zumbir durante meia hora, mas, após alguns dias de uso, o efeito dura menos de um minuto. Pela mesma razão, todo usuário crônico de maconha se queixa equivocadamente de que não existem mais baseados como aqueles de antigamente.

Pesquisar este blog